sexta-feira, 9 de março de 2007

Visita de George W. Bush ao Brasil

O Presidente Estadounidense George WC Bush, como todos sabem, está paseando em teras tupiniquins. Mas o povo das bananas não é burro, olha quanta gente inteligente:

No Rio de Janeiro, cerca de duas mil pessoas, segundo a UNE, marcharam da Candelária até a Cinelândia nas mobilizações do Dia Internacional da Mulher e no repúdio à visita de Bush. Um boneco do presidente estadunidense foi queimado em frente à Embaixada dos EUA. Tinta vermelha foi jogada contra a fachada do prédio. Hoje, no Rio de Janeiro, os manifestantes preparam um protesto no Barra Shopping, que ostenta em sua fachada uma cópia da Estátua da Liberdade.


Em Brasília, uma manifestação pacífica de cerca de 400 mulheres da Via Campesina ocorreu em frente à embaixada dos Estados Unidos. Com gritos de guerra, faixas de "Fora Bush", rodas de ciranda e uma apresentação de teatro do MST, que caricaturava o presidente norte-americano. "Estamos fazendo um manifesto de repúdio à vinda dele (Bush). Os Estados Unidos vêm hoje querendo se apropriar do Brasil e um dos principais motivos dessa manifestação é a questão da monocultura da cana, que é incentivada pelos EUA", diz Marlei Bitencourt, integrante da coordenação distrital do MST.


Em Goiânia (Goiás), cerca de 800 manifestantes ligados à Via Campesina fizeram uma manifestação em lojas do Wal-Mart e do McDonald's pela manhã. Na lanchonete, o grupo atirou tomates. Em frente ao hipermercado estadunidense , os manifestantes protestaram também contra os alimentos transgênicos e o uso de agrotóxicos em lavouras. A loja foi alvo, segundo um dos líderes do protesto, por ser um dos símbolos da economia estadunidense – é a maior empresa varejista do planeta. Além disso, o Wal-Mart responde a um processo bilionário de preconceito contra funcionárias.


Em São Luís (MA), o governador Jackson Lago (PDT) colocou o boné do MST (veja foto) e ajudou a enfocar um boneco do presidente dos Estados Unidos. A mobilização denunciou a expansão das monoculturas de cana-de-açúcar, eucalipto e soja no Maranhão. Segundo Maria Divina Lopes, dirigente estadual do MST, o protesto teve um significado muito importante para o estado, uma vez que, conseguiu unificar trabalhadoras de diversos movimentos e organizações. “Já havia tempo que não fazíamos uma mobilização grande como essa em conjunto”, disse. Agora, segundo ela, o objetivo é dar continuidade as atividades iniciadas nas mobilizações do 8 de Março para que o movimento de mulheres ganhe ainda mais força. Ao todo 15 organizações participaram da articulação da Jornada das Mulheres, entre elas o MST, a Assema, a Fetaema, os Movimentos Quilombolas, a CUT, o Comeruc e o Movimento GLBT-MA.


Em Salvador (Bahia), o protesto reuniu mais de quatro mil pessoas e contou com um trio elétrico, que animou os manifestantes. [Tudo é motivo pra festa lá]


Em Fortaleza (CE), tapioca foi distribuída em frente a uma loja do McDonald´s, durante o protesto contra Bush. [Adorei essa]


Em Porto Alegre (RS), a mobilização queimou bandeiras dos EUA e um boneco de Bush em frente a uma agência do Citibank.


Em Belém (AM), cerca de 2 mil pessoas caminharam nas ruas denunciando o imperialismo e exigindo os direitos das mulheres. (* informações da Agência Brasil, UNE e MST)


AGORA É MINHA VEZ:


FORA BUSH !


2 comentários:

Gika disse...

Não faltou São Paulo ai?
Na Av. Paulista teve um grande manifesto tbm...

Você disse que no começo do post... o povo brazuca é inteligente.
Concordo e sou a favor das manifestações, mas acho que exemplos foram Fortaleza ou Belém... quando as manifestações chegam a um nível violento, ele acaba abandonando seu propósito e quem sofre são os próprios manifestantes. Como no caso de São Paulo.

Mas me deixa imensamente contente ver que apesar o imperialismo cultural norte-americano ser muito influente no Brasil, ainda há chances e não está tudo perdido =]

Ótimo blog. ^^

Old_Darkness disse...

É eu esqueci da Av. Paulisa xD

Mas eu acho q os manifestos violentos seriam válidos se eles tivessem realmente alguma influência. Mas brigar com a polícia, tendo certeza de que o Bush(a) não tá nem aí pra isso, sinto muito mas é burrice.

Mas pelo menos é algo melhor do que ficar parado sem fazer nada.

Obrigado pelo comentário.